AK Delicatessen

nota 4.5 de 5 en 6 opiniones
|

Restaurantes

Este local está fechado


Dicas rápidas Ver todos los tips
Opinión destacada

Como todos já notaram, a nossa ida a Sampa foi bem corrida. Mas temos um compromisso inadiável sempre, com o nosso mentor-padrinho-inspirador-benchmark Ricardo Freire.

Ajeitamos nossas agendas e encontramos o Riq num lugar que ele adora, além de ser do ladinho da casa dele: AK Delicatessen, pilotado pela chef revelação do ano Andrea Kaufmann, que confessou ser leitora desse blog (olha que máximo)!

A entradinha é um amor, e no andar de baixo fica uma delicatessen mesmo, com mesinhas pra tomar chás e cafés saboreando os doces maravilhosos dela. Mas como fomos pra almoçar (e muito, porque estávamos varados de fome), ficamos arriba.O Riq, que era da casa, mandou providenciar, sem pestanejar, duas entradas ma-ra-vi-lho-sas: pastrami kasher, e um salmão marinado em lâminas (o famoso gravlax) acompanhado de um bolinho de peixe (guefilte fish).

Viu que eu não exagerei quando enfatizei o “maravilhosas”?!Depois foi a vez dos principais. Daí decidi pelo goulash de vitela com spaetzel. O que é que eu vou dizer sobre isso… Sabe quando a gente come e pensa “era exatamente isso que eu queria”? Pois foi bem assim!

O Riq e o Diego tavam com o mesmo desejo: varenicks. Daí, como o desejo era enorme, mandaram ver num menu-degustação de varenicks (que não tem como opção no cardápio). Bom, pra que né… Só pra me deixar culpado. Mas eu provei todos. Um sucesso.

Primeiro os clássicos: com abóbora e cebola frita.

E ao azeite trufado.
Depois, de mandioquinha, ervas finas e macadâmia.

E o de batata doce ao creme de haddock.E por último, o de abóbora com ragú de pastrami. E o com rabada e agrião.Uau! Um minuto de silêncio pra apreciar essas maravilhas, em seguida mais um pouco de conversê apreciando o charme do lugar, e fomos às sobremesas: Diego e Riq num arroz doce brulée, e eu de bolo de papoula com calda de limão siciliano.

Demais!Chazinho de jasmim pra mim, e um espresso pra cada um dos dois, 85 reais per capita, papo em dia e uma ótima visita à culinária judaica, até então desconhecida pra este que vos escreve. Um show, Andrea!
avaliações recomendadas

Como todos já notaram, a nossa ida a Sampa foi bem corrida. Mas temos um compromisso inadiável sempre, com o nosso mentor-padrinho-inspirador-benchmark Ricardo Freire.

Ajeitamos nossas agendas e encontramos o Riq num lugar que ele adora, além de ser do ladinho da casa dele: AK Delicatessen, pilotado pela chef revelação do ano Andrea Kaufmann, que confessou ser leitora desse blog (olha que máximo)!

A entradinha é um amor, e no andar de baixo fica uma delicatessen mesmo, com mesinhas pra tomar chás e cafés saboreando os doces maravilhosos dela. Mas como fomos pra almoçar (e muito, porque estávamos varados de fome), ficamos arriba.O Riq, que era da casa, mandou providenciar, sem pestanejar, duas entradas ma-ra-vi-lho-sas: pastrami kasher, e um salmão marinado em lâminas (o famoso gravlax) acompanhado de um bolinho de peixe (guefilte fish).

Viu que eu não exagerei quando enfatizei o “maravilhosas”?!Depois foi a vez dos principais. Daí decidi pelo goulash de vitela com spaetzel. O que é que eu vou dizer sobre isso… Sabe quando a gente come e pensa “era exatamente isso que eu queria”? Pois foi bem assim!

O Riq e o Diego tavam com o mesmo desejo: varenicks. Daí, como o desejo era enorme, mandaram ver num menu-degustação de varenicks (que não tem como opção no cardápio). Bom, pra que né… Só pra me deixar culpado. Mas eu provei todos. Um sucesso.

Primeiro os clássicos: com abóbora e cebola frita.

E ao azeite trufado.
Depois, de mandioquinha, ervas finas e macadâmia.

E o de batata doce ao creme de haddock.E por último, o de abóbora com ragú de pastrami. E o com rabada e agrião.Uau! Um minuto de silêncio pra apreciar essas maravilhas, em seguida mais um pouco de conversê apreciando o charme do lugar, e fomos às sobremesas: Diego e Riq num arroz doce brulée, e eu de bolo de papoula com calda de limão siciliano.

Demais!Chazinho de jasmim pra mim, e um espresso pra cada um dos dois, 85 reais per capita, papo em dia e uma ótima visita à culinária judaica, até então desconhecida pra este que vos escreve. Um show, Andrea!
Foto opinião do diogo c. sobre AK Delicatessen
Compartilhar experiências reais é nosso objetivo. São filtradas resenhas spam, ofensivas, que não se refiram ao local ou que sejam/pareçam resultado de conflito de interesse.

Reservamos a mesa com mais de uma semana de antecedência e um dia antes recebemos uma ligação para confirmar a reserva.
Fomos os primeiros a chegar e, em pouco tempo, o salão principal estava cheio e a fila de espera, bem longa.

A escolha das entradas não foi das mais rápidas, pois todas as combinações pareciam muito apetitosas. Eu fiquei com as berinjelas Singelas (berinjelas chamuscadas servidas com tahine, tomates, hortelã, raspas de limão e mel de romã) – de singelas não tinham nada! A porção foi generosas e a combinação com o mel de romã deixou o prato muito interessante.

O restante do pessoal se dividiu entre Gravlax de Salmão (fatias de salmão marinado, salada de batata especial e folhas verdes) e Consomê com Kreplach de Carne (caldo de frango e carne com capeletti judaico).

A demora para definir a entrada foi compensada com o unânime pedido do prato principal: Bourguignon de cordeiro com Sptzel, coalhada e Cebolas fritas (cordeiro cozido lentamente em vinho, servido com típico nhoque, coalhada caseira e cebolas fritas).

A carne estava macia e perfumada, e o azedinho da coalhada ressaltou ainda mais seu sabor.
Das sobremesas, achei o crepe de nutella com creme de chocolate e crocante de nozes gostoso, mas um pouco modesto comparado ao merengue de morango com chantilly, suspiro e calda de frutas vermelhas.

Brincando de Chef – www.brincandodechef.com.br

O local escolhido para a comemoração gastronômica do aniversário da Débora foi a AK Delicatessen. O restaurante apresenta culinária judaica contemporânea e, mesmo com pouco tempo de vida (foi inaugurado em 2007), já é colocado pela mídia especializada entre os melhores de São Paulo. Quem acompanha o blog há algum tempo sabe que nossas experiências com os restaurantes famosos e premiados nem sempre são as melhores, por isso nós chegamos com aquela interrogação na cabeça: “será que é mesmo tudo isso?”.
A dúvida foi ficando pra trás logo que nos serviram patê de fígado de galinha à moda deli, saladinha de ovos e salada de pepino com coalhada, dill e páprica, além de pães variados (R$ 8). Couvert simples, mas saboroso demais. Um ótimo começo.

A simpática chef Andrea Kaufmann, que fazia questão de passar em todas as mesas conferindo se tudo ia bem, nos explicou que em algumas famílias judaicas é comum misturar o patê de fígado – de sabor marcante – à suavidade da saladinha de ovos. Seguimos a recomendação e a combinação ficou ótima!
Como prato principal, a aniversariante escolheu medalhão ao pastrami (R$ 43), um filet mignon envolto no pastrami da casa, gratinado com queijo brie e acompanhado de cogumelos e latkes de batata.

Excelente! Carne no ponto exato que foi pedido, pastrami com sabor artesanal e batatas tão boas que a Débora não conseguia parar de elogiar.
Eu fui de franguinho de leite assado com couve crocante e spetzel (massa alemã) ao molho de páprica (R$ 36).

Também muito bom, com o frango bem temperado e o spetzel leve e saboroso.
Vale dizer que os pratos são bem servidos. Para quem não estiver com tanta fome ou preferir experimentar outras entradas, há a opção de pedir porções reduzidas de alguns pratos principais.
Já tínhamos comido bastante, mas como toda ocasião comemorativa justifica uma gulodice (ou pelo menos oferece essa desculpa), fechamos a noite com o mix de sobremesas. Custa R$ 38 e dá direito a quatro doces do cardápio, conforme a preferência.

Ficamos com arroz doce broulée, mont blanc de marron glacê, bolo mousse de chocolate com marzipã e um bolo brownie que vinha acompanhado de chantily com sementes de papoula e calda de frutas vermelhas. Difícil dizer qual era o melhor, sem contar a bela apresentação.
Enquanto aguardávamos o café, ainda comentamos que o lugar é pequeno e aconchegante, daqueles em que a gente se sente bem à vontade.

E a Débora, que reclamava da falta de sorte com os restaurantes nas suas comemorações de aniversário, saiu de lá dizendo que queria morar na AK Delicatessen! Pode uma coisa dessas?

Brincando de Chef – www.brincandodechef.com.br

Há muito tempo leio ótimos comentários sobre o AK Delicatessen, mas obviamente esperei o desespero bater para visitar o restaurante judaico-contemporâneo da talentosa Andrea Kaufmann: o AK deve fechar em um mês ou dois e a chef abrirá um novo restaurante (menos judaico e mais contemporâneo) na Vila Madalena.

A casa onde fica o restaurante tem dois andares, fiquei no segundo andar, que tem uma sala pequena e as paredes com composições de papéis de parede que lembram a casa de uma tia avó minha (obviamente o AK é muito mais charmoso que a casa dela).

As entradas e sobremesas do menu do Restaurant Week estavam simplesmente fantásticas - as melhores dessa edição, dentre os restaurantes que eu fui. Provamos o Rosbife em crosta de especiarias com salsa verde e tostada de tomate e cebola roxa, que era um rosbife-quase-carpaccio de tão cru e fino e com um tempero fresco e crocante. A outra entrada foi o Creme de Palmito com gema de ovo pochê, que chegou à mesa numa apresentação linda - um creme branco e suave com pingos amarelos (gema) e verdes (azeite).

Como prato principal provamos o Spaguetti ao limone levemente picante com espinafre e crocantes de challá ao manjericão, que estava saboroso, mas achei um pouco enjoativo. Os crocantes de challá (migalhas de um pão típico judaico) deram um toque especial ao macarrão.

Mas pra mim, as estrelas foram, incrivelmente, as sobremesas: Pudim de leite com top de doce de leite e flor de sal - o pudim sozinho já estava maravilhoso, mas os cristaizinhos de sal eram tão surpreendentes, que não me deixavam parar de comer e repetir que aquilo era maravilhoso (pode parecer estranho, mas o sal realça sabores até em sobremesas - quem já comeu o lindt com sal marinho sabe do que estou falando). A outra sobremesa foi a Mousse Moccachino com chantilly de canela e ovomaltine, hiper-aerada e amarga, a mousse combinou bem com o crocante do ovomaltine.

Aproveitem o fim-de-semana para visitar o AK e vamos esperar a inauguração do próximo estabelecimento de Andrea.
Primera opinión del lugar

Aproveitando o Restaurante Week, conheci na quarta-feira o AK Delicatessen. Pedi de entrada a opção da salada de lulas e camarões à provençal, gostei muito. De prato principal pedi então o peixe Saint Pierre ao zahtar com purê de batata rústico, creme de limão e hrein: delicioso.
Não provei a torta mousse de chocolate, doce de leite e raspas de laranja, mas outras pessoas que pediram acharam enjoativa. De sobremesa, fui de blintzes de requeijão e goiabada cascão, estava muito boa.
¿Conoces AK Delicatessen? ¡Escribe una opinión! ¡Da tu nota! Nota general
Mira las estrellas y después evalúa

Opinión
Para enviar fotos o rellena los campos adicionales, haz (no perderás lo que escribiste)